game-dev,

Organização de um projeto de jogo (parte 4)

Bruno Cicanci Bruno Cicanci Seguir 6 de Junho de 2012 · 2 min de leitura
Organização de um projeto de jogo (parte 4)
Compartilhe

Esta é a quarta parte da série de posts sobre como organizar o seu projeto de jogo, e terá como foco o gerenciamento do projeto e divisão de tarefas. Vejam também a parte 1, parte 2 e parte 3.

Gerenciamento do projeto e divisão de tarefas

Todo projeto precisa ser gerenciado, não por um gerente de projetos, mas os membros da equipe precisam desse tipo de organização para dar uma direção ao projeto, e fazê-lo chegar ao seu objetivo. Mesmo em projetos onde a equipe é uma única pessoa precisa ter todas as tarefas definidas e organizadas.

As vezes, no início de um projeto, pode parecer que o trabalho necessário para programar o jogo não é muito, mas quando todo o trabalho é divido em tarefas, e essas tarefas são divididas novamente por terem ficado grandes demais, ai sim conseguimos ver o tamanho real do projeto. Mesmo um jogo da velha pode ter funcionalidades complicadas, que as vezes ficam ocultas no meio das fáceis, mas aparecem no final do projeto para atrasá-lo.

O Scrum é uma metodologia ágil que funciona muito bem em jogos, se você não conhece esta metodologia recomendo ler sobre o assunto. Esta metodologia pode te ajudar a dividir o projeto em backlogs e tarefas, e então podemos utilizar um organizador de tarefas como o Springpad, que também possui funções de colaboração entre membros. Eu uso bastante o Springpad para adicionar organizar idéias de jogos, aplicativos e posts para o blog, é bem legal e possui versão para navegador e mobile.

Existe também um web app para reuniões bem legal, chamado YAM (Yet Another Meeting). Com ele é possível organizar reuniões, juntar todo mundo em um chat e fazer anotações enquanto a reunião está rolando. Isso parece algo bem simples de fazer com papel e caneta, mas o YAM possui diversos recursos colaborativos para ajudar na hora de compartilhar infomações.

Na hora de conversar sobre o andamento do projeto, podemos utilizar as sugestões dadas em comunicação da equipe, porém é muito interessante que sejam feitas reuniões presenciais ou por Skype, pelo menos uma vez por semana. Este tipo de relacionamento com a equipe torna o projeto mais “humano”, além de descontrair um pouco.

Gostou do post?
Como muitos programadores, aprecio um bom café. Se curtiu este conteúdo, que tal me presentear com um café?
Bruno Cicanci
Escrito por Bruno Cicanci Seguir
Bacharel em Ciência da Computação e pós-graduado em Produção e Programação de Jogos. Atuo profissionalmente com desenvolvimento de jogos desde 2010. Já trabalhei na Glu Mobile, Electronic Arts, 2Mundos, Aquiris, e atualmente na Ubisoft em Londres. Escrevo neste blog desde 2009.