game-dev,

Chega, é hora de fazer jogos!

Bruno Cicanci Bruno Cicanci Seguir 6 de Outubro de 2015 · 2 min de leitura
Chega, é hora de fazer jogos!
Compartilhe

Fazem pouco mais de 5 anos que trabalho profissionalmente na indústria de jogos e, com cada vez mais tecnologias disponíveis para se fazer jogos, ainda é comum encontrar pessoas que ficam no “quero fazer jogos” e não fazem nem um PONG no tempo livre.

Mesmo quando eu comecei a trabalhar com jogos já existiam ferramentas bem legais para desenvolver, algo que era bem diferente há 10 anos atrás. Infelizmente, é bem fácil encontrar pessoas que falam que conhecem a Unity há anos, por exemplo, mas nunca fizeram um jogo. Lembrando que, como já escrevi neste post, fazer um jogo é desenvolver e publicar em algum lugar, não fazer algo e esconder no seu HD.

Decidi escrever este post agora por que é algo que está acontecendo comigo, e que encontrei uma solução que está funcionando. Se olharem meu portfólio, vão ver que tem muitos jogos que eu trabalhei, porém nenhum deles é meu. Este ano percebi que eu preciso de jogos meus no meu portfólio, e fiquei pensando no que fazer.

Quando se é novo na indústria de games é fácil ter muitas ideias, pois no começo não é muito claro se é realmente possível criar um jogo exatamente do jeito que foi pensado, pelo menos não sozinho. E quando se está há algum tempo na indústria, muitas ideias são ignoradas por saber que não é algo fácil de fazer ou que será algo muito demorado para desenvolver sozinho.

Então me surgiu uma ideia, participar do Ludum Dare, que é um concurso de desenvolvimento de jogos que acontece a cada 4 meses. Este ano participei de duas edições, o LD#32 e o LD#33, cada um com um tema bem diferente que me forçou a criar um jogo em menos de 48 horas e sozinho. Como escrevi no post sobre meus jogos do Ludum Dare, foi uma experiência incrível e agora quero participar sempre que tiver uma oportunidade dessas.

E agora começa a próxima fase deste processo, que é pegar estas ideias já desenvolvidas e com um feedback legal de quem jogou e começar a desenvolver um jogo mais completo e polido em cima destes conceitos. Não que isso seja tão fácil como parece, mas é um caminho mais seguro.

Esta foi a minha maneira de me forçar a criar jogos para meu portfólio, e espero que funcione. Nos próximos meses postarei aqui os resultados, e talvez até farei alguns posts sobre o desenvolvimento destes jogos.

Por isso, chega! É hora de fazer jogos! Não fique meses escolhendo a ferramenta perfeita para desenvolver seu jogo (isso não existe), não espere encontrar um artista (use arte temporária ou compre), não espere encontrar um programador (aprenda a programar ou use uma engine mais visual). Simplesmente faça um jogo.

Imagem da capa: Programming Concept do Shutterstock.

Gostou do post?
Como muitos programadores, aprecio um bom café. Se curtiu este conteúdo, que tal me presentear com um café?
Bruno Cicanci
Escrito por Bruno Cicanci Seguir
Bacharel em Ciência da Computação e pós-graduado em Produção e Programação de Jogos. Atuo profissionalmente com desenvolvimento de jogos desde 2010. Já trabalhei na Glu Mobile, Electronic Arts, 2Mundos, Aquiris, e atualmente na Ubisoft em Londres. Escrevo neste blog desde 2009.