como-programar-jogos,

Como ser um programador de jogos: Boas práticas para animações 2D

Bruno Cicanci Bruno Cicanci Seguir 5 de Março de 2014 · 1 min de leitura
Como ser um programador de jogos: Boas práticas para animações 2D
Compartilhe

Um artista costuma fazer a animação completa de um determinado sprite, porém nem sempre será necessário utilizar todos os frames da animação para causar o mesmo efeito.

Mesmo com sprites detalhados, nem sempre a animação precisa ter muitos frames. Por exemplo, se você reparar em um jogo de luta 2D, a animação dos golpes normais (chute e soco) é muito rápida, praticamente um frame de antecipação e um do golpe. Muitos frames mostrando o golpe em detalhes vai pesar na memória, não será percebido no jogo e vai precisar de mais trabalho do artista.

Na imagem abaixo do jogo Street Fighter II, do Super Nintendo, podemos ver o que foi dito acima. Os dois primeiros frames são a antecipação, o frame do meio é o golpe, e os dois últimos frames é o feedback para o jogador após o golpe. Você pode conferir a spritesheet completa do Ken clicando aqui.

Em jogos que possuem animações rápidas, quanto menos detalhes tiver é melhor. O importante é focar no que a animação deve passar, como a sensação de um golpe rápido em um jogo de luta. Vale mais a pena investir em detalhes do que em mais frames, assim o jogo fica mais bonito, menos pesado e será possível ver toda animação sem desperdiçar frames.

Gostou do post?
Como muitos programadores, aprecio um bom café. Se curtiu este conteúdo, que tal me presentear com um café?
Bruno Cicanci
Escrito por Bruno Cicanci Seguir
Bacharel em Ciência da Computação e pós-graduado em Produção e Programação de Jogos. Atuo profissionalmente com desenvolvimento de jogos desde 2010. Já trabalhei na Glu Mobile, Electronic Arts, 2Mundos, Aquiris, e atualmente na Ubisoft em Londres. Escrevo neste blog desde 2009.