livros,

Introdução ao desenvolvimento de games, volume 3

Bruno Cicanci Bruno Cicanci Seguir 11 de Fevereiro de 2014 · 3 min de leitura
Introdução ao desenvolvimento de games, volume 3
Compartilhe

O terceiro livro da série americana Introdução ao Desenvolvimento de Games, publicado em português no Brasil pela editora Cengage Learning, trata a criação e produção audiovisual em jogos.

Steve Rabin, o editor do livro, reuniu outro grande time de profissionais da indústria de jogos AAA para tratar de um assunto que interessa muito aos artistas, mas que também é essencial aos programadores de jogos, que é a parte visual e sonora do jogo. Confira a review do volume 1 e do volume 2 que fiz no blog também.

Este livro não vai te ensinar a modelar, desenhar, animar, criar efeitos especiais e compor trilhas sonoras para jogos, mas vai te dar uma base muito importante para entender como estas coisas são feitas em jogos. Assim como os dois volumes anteriores, este livro é a base e o ponta pé inicial para se aprofundar no assunto que você quiser trabalhar com games.

Um dos capítulos mais legais para mim, que sou programador, é o primeiro que explica conceitos básicos de design visual e ensina alguns truques para montagem de interface, como linhas guia para simetria e sugestões de interface. Por ser programador, eu não preciso me aprofundar neste assunto, mas é muito útil conhecer e ter esta base, isso faz muito diferença na hora de desenvolver um jogo e conversar com um artista.

Os capítulos seguintes tratam de modelarem 3D, ambientes, mapeamento de textura, efeitos especiais e animação. Novamente, são aparentados conceitos básicos mas que ajudam muito. Eu, por exemplo, me senti nas minhas aulas da pós-graduação que fiz em games, pois também tive este conteúdo lá e desta mesma forma, apenas o necessário para trabalhar com games.

Muita gente acha que programar jogos em 3D são difíceis ou mais pesados do que jogos 2D, e em muitos casos não tem diferença ou é até mais fácil dependendo do jogo. Entender como a parte artista disso funciona ajuda a perder o medo de programar, além de saber exatamente o que esperar de um artista para colocar no jogo, e também como pedir alterações quando algo estiver errado no modelo ou animação 3D.

Por fim, temos um capítulo que trata um assunto que eu gosto bastante, a produção musical de uma jogo. Uma música no fundo é importante para a imersão no jogo, mas efeitos sonoros são igualmente importantes para o feedback da mecânica do jogo. O game designer deve pensar neste tipo de feedback sonoro no jogo, porém o músico que deve criar o som mais adequado.

Alguns conceitos básicos de design de áudio e até mesmo dublagem em jogos são apresentados, e no final existem capítulos com dicas mais profissionais, até mesmo discutindo a diferença entre usar um PC ou um Mac para a produção musical em jogos.

Está tem se tornado a minha série de livros favorita lançada no Brasil, principalmente por ter sido desenvolvida por um tipo de profissionais da indústria que trabalham com jogos AAA. Muito obrigado novamente a editora Cengage Learning por tem enviado o livro! Este volume, assim como toda coleção, esta disponível em várias livrarias e no site da editora.

Siga a Cengage Learning no Facebook e no Twitter para ficar por dentro dos lançamentos da editora.

Gostou do post?
Como muitos programadores, aprecio um bom café. Se curtiu este conteúdo, que tal me presentear com um café?
Bruno Cicanci
Escrito por Bruno Cicanci Seguir
Bacharel em Ciência da Computação e pós-graduado em Produção e Programação de Jogos. Atuo profissionalmente com desenvolvimento de jogos desde 2010. Já trabalhei na Glu Mobile, Electronic Arts, 2Mundos, Aquiris, e atualmente na Ubisoft em Londres. Escrevo neste blog desde 2009.