Projeto de jogo para TCC

Projeto de jogo para TCC

Muita gente que quer trabalhar com jogos durante a faculdade tem a ideia de tentar fazer um jogo como trabalho de conclusão de curso (TCC), e eu digo tentar por que dependendo da faculdade e do curso podem não aceitar que este projeto seja um jogo, em muitos casos por falta de conhecimento dos professores e orientadores.

Existem também os cursos de desenvolvimento de jogos, onde este é o objetivo principal do curso, porém isto também pode esbarrar na falta de conhecimento de professores e orientadores, e quem paga o preço são os alunos que começam o curso querendo fazer um MMORPG e terminam sem conseguir fazer um PONG.

A indústria de jogos no Brasil é pequena, e a parcela de profissionais que também dão aulas é ainda menor. Por este motivo é bem comum que em cursos de desenvolvimento de jogos apenas parte dos professores tenham feito um jogo. E eu digo feito no sentido de fazer e publicar, e ver como é difícil este processo para poder transmitir esta experiência em aula, poder mostrar seus erros e acertos na carreira.

Quando fiz meu jogo para o TCC da pós-graduação, o Oniro, eu escrevi este post contando sobre o início do projeto e quais eram minhas dúvidas, principalmente em relação a tecnologia. Eu quase escolhi algo que não conhecia para fazer o jogo, uma linguagem de programação e um framework/engine que nunca tinha usado mas que estava na moda, e eu quase cometi este erro. No fim acabei escolhendo utilizar o que eu tinha mais segurança e conhecimento para fazer o jogo, que foi XNA e C#, e isso me deu tempo para focar em realmente fazer um jogo ao invés de aprender a programar em outra linguagem. Eu tive a sorte de perceber isso sozinho, principalmente por que fiz a mesma escolha na graduação e usei C# para o TCC pelo mesmo motivo, e este é o tipo de ajuda que um orientador com experiência em desenvolvimento de jogos pode dar para alunos iniciantes.

Durante o desenvolvimento do meu TCC eu consegui entrar em uma empresa de jogos, a Glu, e tive que dividir meu pouco tempo livre entre continuar o TCC e estudar o que estava usando no trabalho (J2ME). Se eu tivesse escolhido usar C++ e SDL, por exemplo, que eram ambas coisas novas pra mim, eu não teria feito nem metade do jogo, ou pelo menos não com a qualidade que queria. No meu post sobre o término do TCC, coloquei as coisas que deram certo e as que não deram, e usar algo que eu conhecia foi o que deu mais certo. Outra coisa que coloquei lá é que, como não tinha um artista pra me ajudar, usei sprites que encontrei na internet pra fazer o jogo, sem me preocupar em fazer arte ou procurar alguém pra fazer, e isso deu tão certo que eu estava com o jogo pronto 1 mês antes da entrega, e passei este 1 mês atualizando a arte, som e interface do jogo. Esta é outra dica que não me deram, e que me ajudou muito a não ficar parado sem ter arte pra fazer o jogo.

Existem mais coisas que deram errado: cobrar que parte da entrega do TCC fosse um plano de negócios detalhando como seria feita a empresa, custos, etc. Na minha opinião isso é algo inútil, pois é muito raro um jogo feito durante o TCC, por alunos sem experiência, ter a qualidade para ser publicado. O resultado é que muitos, e eu também, fizemos isso de qualquer jeito só pela nota e para “agradar” o professor da disciplina. Isto foi há 7 anos atrás, e ainda hoje é difícil fazer alunos e professores entenderem o que é fazer jogos.

Seu primeiro projeto é para você aprender a fazer um jogo, entender todos os desafios e obstáculos, e ver se é isso que você realmente quer. Colocar na cabeça de alunos que este projeto pode ser lançado no final do curso e que podem ganhar dinheiro com isso é muito errado, e isso causa mais casos de desistência do que de sucesso. Falo isso tudo por experiência, por tudo que vi nesses 7 anos trabalhando na indústria de jogos. É muito melhor ter um jogo simples mas bem polido do que algo grande demais que não vai ficar pronto a tempo ou vai ficar muito ruim, e este é o trabalho que muitos orientadores não fazem: orientar. Ao invés disso o projeto se torna um trabalho para agradar o orientador, a banca e a faculdade.

Fazer jogos é difícil, por isso você precisa escolher isso pelos motivos certos, motivos que te animem a acordar cedo e se dedicar a aprender e fazer uma experiência que outras pessoas vão querer jogar. Escrevi este post ano passado com uma pergunta, Por que você faz ou quer fazer jogos?, e são coisas assim que pra mim estão muito acima de querer fazer jogos para ganhar dinheiro, e é isso que falta ser ensinado. Menos empreendedorismo com falsas esperanças, mais jogo como arte e forma de expressão.

Imagem da capa: Angry man using bazooka do Shutterstock.

Bruno Cicanci

Bruno Cicanci
Desenvolvendo jogos desde 2009.

Falta de foco

Você planeja uma tarefa ou atividade, reserva um bom tempo pra isso, escolhe aquela playlist perfeita, coloca seu fone e se isola em um c...… Continue lendo

Comparando deletages e Unity Events

Published on September 09, 2018