Final Frontier: Organizando tarefas

No post anterior sobre o projeto houve pouco progresso por que meus dias estavam corridos, porém estas duas últimas semana foram ainda mais corridas e não conseguir trabalhar projeto na Unity, porém conseguir pelo menos organizar as tarefas do projeto.

Meu novo portfólio

Uma das dicas que sempre falo para quem está começando é montar um portfólio pois, mesmo que no início tenha apenas jogos curtos ou projetos de cursos, é algo para mostrar e é um opcional praticamente obrigatório em um processo seletivo na área de jogos.

Final Frontier: Detalhes do Inventário

No post anterior fiz o inventário expandir quando o cursor estiver em cima de um slot. Desta vez comecei a adicionar alguns detalhes visuais, além de definir o que cada coluna da interface terá em relação a nave.

Videos da GDC no YouTube

A Game Developers Conference (GDC) é bem famosa na indústria, e com certeza o maior evento para desenvolvedores de jogos. A GDC tem sua edição principal nos EUA e algumas edições um pouco menores na Europa e Asia, assim como edições especiais, como a VRDC. Todo conteúdo das palestras ficam disponíveis no site GDC Vault, que possui alguns conteúdos gratuitos mas sua maioria precisa de uma assinatura mensal para ter acesso.

Final Frontier: Expandindo o Inventário

No post anterior demonstrei como iniciei o desenvolvimento da interface do inventário da nave, baseado na interface do jogo Destiny. O inventário ainda não, e desta vez comecei a adicionar mais funções na interface.

Desenvolvendo Jogos Mobile com HTML5

Neste livro, publicado pela Editora Novatec, o autor Luiz Fernando Estevarengo ensina conceitos básicos de desenvolvimento de jogos para dispositivos móveis utilizando os frameworks Phaser, Intel XDK e Cordova/Phonegap.

Final Frontier: Interface do inventário

Os últimos posts foram sobre o desenvolvimento da mecânica do jogo, que por enquanto é apenas uma nave atirando em caixas que explodem. Este mês coloquei o gameplay um pouco de lado para trabalhar na interface de usuário (UI) do jogo, e comecei pela principal tela: upgrade e informações sobre a nave.

Por que temos que jogar jogos diferentes

Isto é algo que já escrevi aqui no blog, mas recentemente percebi que eu não estava fazendo. Ultimamente tenho jogado sempre os mesmos jogos, e isto ficou refletido nos últimos jogos que fiz participando do Ludum Dare.

Final Frontier: Raycast, Spawn e MoSCoW

Faz um mês desde o último post sobre o andamento deste projeto, mas ele não está parado. Mês passado teve o Ludum Dare #36 e realizei uma palestra na USP sobre Game Jams, então meu tempo livre (e os posts do blog) foram voltados a estes eventos. Agora que tudo passou, vamos voltar ao Final Frontier.

Minha participação no Ludum Dare #36

Pela quinta vez consecutiva participei do Ludum Dare na competição de fazer um jogo sozinho em 48 horas. Desta vez o tema era Ancient Technology (tecnologia antiga) e depois de descartar ideias relacionadas ao Egito e Idade da Pedra (que eram meio obvias para o tema), acabei lembrando de um episódio da série Vikings onde eles usavam uma pedra para achar o sol em dias nublados, e meu jogo foi baseado nisso.